21/01/2015

Ministério do Trabalho interdita empresa tercerizada dos bancos em Recife


O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) interditou na noite desta terça-feira (20) a unidade sede da Contax, em Santo Amaro, no Recife, devido a uma série de infrações que prejudicam diretamente a saúde de 14 mil trabalhadores da unidade, que presta serviço para os bancos, entre outras empresas.

Depois de recorrentes orientações e termos de ajustes indicados pela Justiça do Trabalho e não cumpridos pela empresa, a paralisação do prédio atinge principalmente os teleatendimentos de bancos e operadoras de telefonia.

Problemas de saúde geram mais de seis mil atestados apresentados por mês na Contax, parte deles rejeitados. Os trabalhadores foram retirados do prédio e quem chegava recebia a informação de que aguardasse a orientação sobre o retorno da atividade.

O termo de interdição integra uma lista de itens a serem atendidos pela empresa para suspender a interdição, que seria o retorno do funcionamento do local. Higiene de espaços e equipamentos do ambiente de trabalho e postura de assédio moral de supervisores e coordenadores estão na lista. O MTE terá um dia útil para liberar o funcionamento, caso não permaneçam as infrações. O descumprimento da interdição pode gerar prisão para o autor da liberação. A Polícia Federal participou da operação para garantir a segurança dos auditores.

De acordo com a coordenadora da operação do MTE, Cristina Serrano, são muitas regras não cumpridas e condições de trabalho que prejudicam diretamente a saúde, o que pode justificar o alto volume de faltas e apresentação de atestados.

"O nível de adoecimento se tornou algo fora de controle. Os trabalhadores são proibidos de beber água de acordo com a necessidade. O mesmo vale para ida ao banheiro. As cobranças de atendimento e metas a cumprir são excessivas. Todo esse cenário gera problemas osteomusculares, como tendinites, e geram patologias irreversíveis, como lesões de ombro ou de perda de audição. Por ter restrições de idas ao banheiro, evitam beber água, o que causa infecção urinária. E entra no círculo de patologias", destacou. "A maioria tem idade de 18 anos a 25 anos e estamos visualizando uma parcela de jovens sequelados", complementou.

Para a presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello, esta situação dos atendentes de telemarketing pode ser estendida para os bancários, caso os bancos consigam aprovar, no Congresso Nacional e na Justiça, seus projetos que liberam a terceirização indiscriminada. “No ano passado, terminou sem sucesso a negociação entre centrais sindicais, governo e empresas para discutir um acordo em torno do projeto de lei 4.330, que legaliza a terceirização irregular e tramita desde 2004 no Congresso. A luta continua este ano para, de uma vez por todas, enterrar este e outros projetos que só acabam com a saúde e a qualidade de vida do trabalhador”, destaca Jaqueline.

Terceirizada dos bancos – A Contax, maior em atuação no serviço de teleatendimento do país, é prestadora de serviço de call center para quatro bancos (Bradesco, Itaú, Santander e Citibank) e três operadoras de telefonia (Oi, Vivo e Net).

As empresas foram autuadas e multadas em mais de R$ 300 milhões no fim do ano passado por terceirização ilícita dos serviços de call center, além de assédio moral e adoecimentos em massa de trabalhadores alocados dentro da Contax.

"A paralisação do edifício da Contax de Santo Amaro serve de modelo para as outras 32 do Grupo espalhadas pelo país. Isso não quer dizer que as outras estão em condições perfeitas. Estão descumprindo da mesma forma, mas paralisar 33 prédios da empresa no Brasil é impossível de forma simultânea", explica a auditora do ministério do Trabalho.

LEIA TAMBÉM
>> Bancos superexploram operadores de telemarketing, aponta MTE
>> Terceirização irregular rende multas de R$ 318 milhões a bancos e teles


Compartilhe no
Notícias relacionadas...

Outras notícias...

Expediente:
Presidenta: Suzineide Rodrigues • Secretário de Comunicação: Epaminondas Neto • Conselho Editorial: Suzineide Rodrigues, Epaminondas Neto e Adeílton Filho • Jornalista Responsável: Micheline Américo  Redação: Beatriz Albuquerque e Brunno Porto • Coordenação, Supervisão e Produção de audiovisual: Tempus Comunicação •  Programação Visual: Bruno Lombardi