29/11/2016

Desemprego nos bancos em 2016 já é maior que de todo o ano passado


A aceleração do número de demissões nos bancos se comprovou na última pesquisa do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego). De janeiro a outubro de 2016, os bancos brasileiros fecharam 10.009 postos de trabalho no país. Esse número supera o total de postos de trabalho bancário fechados em 2015 (9.886) e representa um aumento de 58,4% em relação ao número de postos fechados no mesmo período em 2015, quando foram extintos 6.319 postos.

São Paulo foi o estado onde ocorreram mais cortes (menos 4.688 postos, 46,8% do total de postos fechados), seguido pelo Rio de Janeiro, que fechou 1.595 postos (16,0%), o Paraná, com 715 postos extintos (7,1%) e Minas Gerais (menos 625 postos ou 6,2% do total). Apenas três estados registraram saldo positivo no emprego bancário, com destaque para o Pará, com 104 postos abertos.

Segundo o presidente da Contraf-CUT, Roberto von der Osten, os bancos estão efetivamente trocando seus empregados que tem mais tempo de casa, os mais velhos, por jovens que têm mais familiaridade com os avanços da tecnologia. “Deixaram de investir na formação das pessoas e preferem buscar no mercado quem já venha atualizado para o emprego. Ao mesmo tempo reduzem despesas, pois os mais velhos acumulam maiores salários, e se preparam para as profundas transformações que o sistema financeiro está vivendo. Estamos no limiar de um novo banco. Mais digital e mais desumano. Não acredito que seja isso que os bancos prometem aos empregados quando estes iniciam suas carreiras. Isto não é correto”, constatou.

De acordo com o dirigente, o movimento sindical não é contra a tecnologia, ao contrário. “É contra os abusos e a exclusão que o mal uso da tecnologia pode trazer para os trabalhadores. Por essa razão na Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2018 conquistamos a cláusula 62 que cria um grupo de trabalho bipartite para discussão de critérios para a constituição de centros de requalificação e de realocação de empregados, com o objetivo proteger trabalhadores ameaçados pelas rápidas mudanças no nosso mundo do trabalho”, ressaltou Roberto.

A análise por Setor de Atividade Econômica revela que os Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, categoria que engloba grandes instituições como Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander fecharam 7.302 postos de trabalho (78,9% do total de postos fechados). A Caixa Econômica Federal foi responsável pelo corte de 1.992 postos de trabalho (21,5%).

Motivos dos Desligamentos

Do total dos desligamentos ocorridos nos bancos, 62% foram sem justa causa, totalizando 16.966 desligamentos. Os desligamentos a pedido do trabalhador representaram 28% do total e totalizaram 7.719.

Desigualdade entre homens e mulheres

No momento do desligamento observou-se, praticamente, a mesma diferença na remuneração entre homens e mulheres. As mulheres que tiveram o vínculo de emprego rompido nos bancos no período recebiam R$ 5.360,73, o que representou 71,6% da remuneração média dos homens desligados dos bancos, que foi de R$ 7.483,89.

As 8.699 mulheres admitidas nos bancos nos primeiros 10 meses de 2016 receberam, em média, R$ 3.123,68. Esse valor correspondeu a 71,5% da remuneração média auferida pelos 8.717 homens contratados no mesmo período, que foi de R$ 4.370,31.

Faixa Etária

Os desligamentos se concentraram nas faixas etárias superiores a 25 anos e, especialmente, na de 50 a 64 anos, que registrou um corte de 6.071 postos de trabalho (61% do total de postos fechados).

Tempo no Emprego

Observa-se que o corte dos postos nos bancos se deu principalmente entre aqueles com maior tempo de casa, sendo compatível com o fato de serem os trabalhadores mais velhos. Entre os 27.425 desligados, a maior parte tinha 10 ou mais anos no emprego (9.379 cortes que correspondem a 34,2% do total). Outros 6.048 tinham entre 5 e 10 anos no emprego (22,1%).

Confira aqui os gráficos e tabelas da pesquisa.

Compartilhe no
Notícias relacionadas...

Outras notícias...

Expediente:
Presidenta: Suzineide Rodrigues • Secretário de Comunicação: Epaminondas Neto • Conselho Editorial: Suzineide Rodrigues, Epaminondas Neto, Josenildo Santos, Beatriz Albuquerque e Expedito Solaney • Jornalista Responsável: Beatriz Albuquerque  Redação: Beatriz Albuquerque e Brunno Porto • Produção de audiovisual: Kevin Miguel •  Programação Visual: Bruno Lombardi