24/05/2018

Empresas públicas são pilares no desenvolvimento de países



Os bancos públicos e o desenvolvimento econômico e social foram o tema central do debate promovido, nesta manhã, em São Paulo, na série Diálogos Capitais, realizada pela revista CartaCapital com o apoio da Fenae. O evento foi aberto pelo professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo, com a palestra O papel do Estado no desenvolvimento brasileiro. Em seguida foram discutidos os tópicos desnacionalização, desindustrialização, conteúdo nacional e bancos públicos, com abertura de perguntas à plateia.


Belluzzo foi enfático ao afirmar que as empresas públicas são fundamentais na elaboração de projetos de desenvolvimento de um país, e citou como exemplos experiências nos EUA, China, Inglaterra e no próprio Brasil, entre as décadas de 1930 e 1980. “As públicas vão na frente, criam um ambiente de investimento, e as privadas se preparam para produzir”, explicou. Esse investimento a partir de critérios definidos dá mais autonomia às públicas em relação aos ciclos econômicos, “para que (essas empresas) sejam utilizadas inclusive quando esses ciclos desfalecem”, destacou.


Rita Serrano, representante dos funcionários no Conselho de Administração da Caixa e coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, apresentou dados sobre a atuação da instituição e as investidas privatistas do atual governo. Ela citou os cortes em programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida, a privatização de ativos, como no caso das Loterias instantâneas; o baixo uso do estoque de crédito direcionado na atualidade e o desmonte que vem sendo promovido não só na Caixa, mas também no Banco do Brasil, BNDES, BNB, BASA, Eletrobras, Petrobras, entre outras. Lembrou, ainda, o fechamento de centenas de agências bancárias no BB e Caixa e os milhares de cortes de postos na categoria, liderados por estas instituições. “Não há como sair da crise sem os bancos públicos”, ressaltou.


O professor titular da Faculdade de Direito da USP; Gilberto Bercovici, acrescentou que a questão não é apenas política, mas jurídica, já que as empresas públicas têm um papel definido no Sistema Financeiro Nacional. “Há hoje um descumprimento e uma violação dessa legislação”, afirmou, citando a lei 4595/64. Já Pedro Celestino, engenheiro e integrante do Conselho Diretor do Clube de Engenharia do RJ, resgatou parte do processo de industrialização no País iniciado nos anos Vargas, apontando os grandes investimentos que transcendem ciclos econômicos e precisam de aportes para serem realizados. “Sem a criação do BNDES não teríamos indústria no Brasil”, apontou, enfatizando que “não haverá paz social sem proposta de desenvolvimento”.


Ao final, as questões focaram também nas eleições de outubro, já que uma mudança no atual modelo privatista para valorização das empresas públicas passa necessariamente pela eleição de um novo projeto de governo.

Compartilhe no
Notícias relacionadas...

Outras notícias...

Expediente:
Presidenta: Suzineide Rodrigues • Secretário de Comunicação: Epaminondas Neto • Conselho Editorial: Suzineide Rodrigues, Epaminondas Neto e Adeílton Filho • Jornalista Responsável: Micheline Américo  Redação: Beatriz Albuquerque e Brunno Porto • Coordenação, Supervisão e Produção de audiovisual: Tempus Comunicação •  Programação Visual: Bruno Lombardi